Atendimento em todo Brasil
Atendimento em todo Brasil

   

Dicas

4 dicas sobre apresentação de produtos para clientes

A apresentação de produtos para clientes tem diferentes dimensões: limpeza do espaço e do objeto, disposição no mostruário, embalagem etc. Aqui nós vamos falar desse assunto no que se refere a apresentação feita pelo vendedor.

A essa altura você já sabe que vender é mais do que oferecer produtos. Se um vendedor trabalha em uma loja de sapatos, por exemplo, e o cliente chega procurando um tênis, é possível que tenha mais de 100 opções!

Como apresentar os produtos certos e da maneira certa para fechar negócio? É disso que vamos falar! Confira a seguir nossas dicas sobre apresentação de produtos para clientes que vão te ajudar a vender mais!

1. O primeiro passo para uma apresentação de produtos para clientes bem-sucedida é conhecer bem o produto

Conhecer a fundo o que vende é o primeiro requisito para conseguir fazer uma boa apresentação de produtos para clientes. Embora você não vá encher os ouvidos dos clientes com informações técnicas, ainda assim você deve dominar tudo o que diz respeito ao produto. A seguir você entenderá o porquê.

2. Você só saberá como fazer uma boa apresentação de produtos para clientes se conhecê-los!

Conhecer o cliente é um desafio, afinal, o processo de vendas também precisa ser ágil. Nesse caso, uma pesquisa geral pode não ser o suficiente. Você precisa descobrir o que aquele cliente precisa.

A exemplo da loja de sapatos, no qual o cliente procura um tênis, você poderia perguntar para qual atividade ele irá utilizar o tênis, o que é mais importante para ele nesse calçado, se tem preferência de marca ou cor.

A partir desses detalhes, você saberá o suficiente para recorrer às amostras certas. É aí que entra o conhecimento sobre o produto. Para ajudar o cliente na escolha do melhor tênis, você precisará dizer para ele, conforme aquilo que ele procura, como cada um daqueles calçados poderá resolver o seu “problema”.

3. Na apresentação de produtos para clientes, reforce o que o próprio cliente disse sobre suas necessidades

O modo com que você apresenta um produto para o cliente poderá ser sua chave para fechar negócio. Uma das técnicas nesse sentido é, durante a apresentação, repetir aquilo que o cliente disse que precisa e, em seguida, explicar a característica do produto que responde àquela necessidade.

Dessa maneira, você estará articulando as duas informações e reforçando que o produto é ideal para o consumidor. Quando você apenas descreve as características do produto, ainda que de acordo com o que o cliente precisa, a conversa não surte tanto efeito, pois o foco da atenção do cliente pode ser dispersado.

4. Use sua percepção para surpreender o cliente na apresentação

O cliente te disse o que precisa, certo? Agora, será que, a partir do que ele disse, você consegue identificar outras qualidades do produto que poderiam ser interessantes para ele? Voltando ao exemplo da loja de sapatos, vamos supor que ele disse que precisa de um tênis para corrida, confortável, que absorva bem os impactos e tenha uma ótima resistência.

O seu trunfo na apresentação de produtos para clientes será quando você puder oferecer um produto que, além do que ele espera, tenha mais alguma característica útil que ele não mencionou. Por exemplo, no caso mencionado, poderia ressaltar que um determinado modelo de tênis é ventilado, evitando a umidade e aquecimento excessivo dos pés.

De modo geral, o segredo de uma ótima apresentação de produtos para clientes é saber articular o conhecimento sobre o produto e o cliente com uma boa e ágil capacidade de análise da situação. A prática levará à perfeição!

O que você achou dessas dicas? Deixe um comentário com a sua opinião!

4 dicas para competir e vencer a concorrência nas vendas

Quando se atua no mercado de vendas competir é uma constante. Não existe, hoje em dia, produto ou serviço único, que não apresente outras opções no mercado. Com isso, é preciso estar preparado para conquistar os clientes, não apenas no momento da compra, mas em todos os estágios de venda: prospecção, negociação, pós-venda e manutenção.

Para competir e vencer a concorrência nesse contexto dinâmico e movimentado é preciso desenvolver e sustentar algumas habilidades e atitudes como vendedor. É claro que certas questões dependem da gestão da sua empresa, mas não se engane: você pode e deve fazer a diferença! Vamos às dicas:

1. Para competir comece entendendo o que o cliente realmente quer

Quando estamos lidando com pessoas, precisamos entender que nem sempre o que elas dizem é o que é. Por exemplo, se um cliente comenta que o preço do concorrente é menor ou algo do tipo, ele provavelmente quer negociar com você, caso contrário, nem faria esse comentário, entende? Então, como agir? Como identificar o que ele deseja na negociação, por que ele evocou o concorrente? O que ele quer de diferencial?

Para que você consiga identificar essas e outras pistas que o cliente te oferece e possa vencer a concorrência, você precisa saber escutar e negociar. Se for capaz de compreender o que existe por trás das entrelinhas e utilizar isso em seu favor, com certeza, conseguirá conquistar o cliente.

2. Conheça bem a sua empresa para competir

Talvez você acredite que conheça bem a sua empresa, mas saiba que apenas aquilo que diz respeito imediatamente ao seu produto e condições de vendas não é o suficiente. Você deve buscar saber ao máximo sobre o lugar onde trabalha, sua origem, seus valores, como ele funciona e outras informações.

Não se contente apenas com documentos e informações prontas: observe e analise cotidianamente o espaço no qual trabalha. É da combinação entre o que você vê ocorrendo na prática e informações oficiais que está o verdadeiro conhecimento sobre a empresa. Isso irá permitir que você identifique de forma realistas quais são os pontos fortes que poderão te auxiliar nas vendas.

3. Conheça tudo sobre seus concorrentes

Você quer competir e vencer os seus concorrentes? Então, você precisa saber com quem está competindo! Afinal, como poderá tomar atitudes e ações para superar algo que você não sabe o que é? Não tenha pudores em ir atrás: entre nas lojas dos seus concorrentes, visite seu site, assine sua newsletter, conheça seus prazos, preços, qualidade do atendimento, promoções. Observe tudo!

Cumpra essa missão e, em seguida, faça um comparativo com a sua empresa, identificando quais os pontos fortes e particularidades que te permitirão ter mais sucesso nas vendas do que a concorrência.

4. Seja honesto e motivado na competição

Honestidade e motivação parecem fatores subjetivos ou éticos apenas, mas acredite, poderão fazer toda a diferença entre você e seu concorrente! Atualmente, diante de algumas estratégias comerciais muito agressivas e ambíguas, os clientes valorizam e muito quem é capaz de dizer sobre a realidade da negociação, mostrando vantagens reais e não inventando. Contudo, para que você consiga fazer isso, precisa acreditar em seu próprio produto, ser apaixonado pelo que faz e engajado com a empresa. Combine esses dois fatores e irá se destacar da concorrência.

Poderíamos continuar com mais uma variedade de atitudes que poderão te levar a vencer ou competir com a concorrência, contudo, considerar o seu próprio contexto e entender a lógica das dicas que oferecemos para adaptar à sua realidade será muito mais eficaz do que decorar listas de dicas.

Investir em se qualificar e conhecer diferentes estratégias, ainda com essa “regrinha” da análise e adaptação em mente, também poderá ajudar, e muito! Por exemplo, a utilização de referências na hora da venda é outro fator que pode te diferenciar da concorrência. Quer saber mais sobre o assunto? Então, leia o nosso texto: Como as Referências Podem Ajudar nas Vendas?

Adquira inteligência emocional para sucesso nas vendas

A visão que se tem de inteligência atualmente não diz mais respeito apenas às habilidades intelectuais e, na verdade, nem sempre elas são consideradas as mais importantes. Particularmente para as situações e profissões que envolvem o relacionamento interpessoal como base, a inteligência emocional para o sucesso nas vendas se destaca como a mais importante a ser desenvolvida.

Naturalmente, é esse tipo de inteligência que faz maior diferença na área de vendas, afinal, o vendedor estará sempre lidando com pessoas em diversos níveis e o seu sucesso dependerá do quão bem ele consegue lidar com o cliente. Pensando nisso, elaboramos esse texto para que você entenda como desenvolver inteligência emocional para sucesso nas vendas.

O que é inteligência emocional?

É importante que, antes de falarmos sobre dicas para desenvolver inteligência emocional, você entenda mais sobre o que ela é, pois nem sempre as mesmas indicações funcionarão igualmente para todas as pessoas. Existem várias definições para inteligência emocional. Dessa forma, optamos por apresentar a de Daniel Goleman, que é considerado o pai da inteligência emocional.

Ele afirma que ela é a capacidade de conhecer, tanto os nossos sentimentos, como os sentimentos dos outros, o que facilita gerenciar as emoções no intercâmbio com os demais. Embora a definição em si seja simples, na prática, ela apresenta pilares cuja compreensão pode auxiliar no seu desenvolvimento.

Os principais pilares da inteligência emocional para o sucesso nas vendas

Embora pudéssemos listar outros pilares possíveis para o desenvolvimento da inteligência emocional, existem dois que são os principais: o autoconhecimento e a empatia. Podemos dizer que eles são interdependentes, pois você só será capaz de ser empático se adquirir um bom nível de autoconhecimento.

Autoconhecimento

Se autoconhecer significa ser capaz de identificar seus sentimentos, emoções e pensamentos, sem permitir que eles, irrefletidamente, dominem suas ações. Dessa forma, é possível perceber alguns “problemas” que podem te levar, por exemplo, à autosabotagem e agressividade, tornando possível trabalhá-los.

Empatia

Se por um lado o autoconhecimento exige algum investimento na introspecção, a empatia exige, pelo contrário, ser capaz de se “colocar no lugar do outro”. Isto é, ao invés de simplesmente reagir às atitudes alheias, tentar compreender o que é estar do outro lado, de modo a responder assertivamente à situação. Por isso o autoconhecimento é fundamental para desenvolver a empatia, pois, muitas vezes você perceberá no outro reações e sentimentos que também são comuns nas suas próprias vivências.

Dicas de inteligência emocional para sucesso nas vendas

É mais fácil compreender o que é inteligência emocional do que colocar em prática, principalmente em uma situação de tensão e cobrança, como é o trabalho com vendas. Mas existem algumas atitudes cotidianas que podem te ajudar:

1. Cuide-se: se você estiver bem, fica mais fácil lidar mesmo com as pessoas mais complicadas.

2. Escute: aprenda a ouvir e entender o que o outro está dizendo e o que o motiva. Dessa forma, será mais fácil responder de modo assertivo.

3. Não reaja, responda: em trabalhos como o de vendedor, é comum existirem algumas respostas prontas para determinadas situações. Evite isso, a partir da escuta, procure responder ao que realmente está acontecendo.

4. Adote a perspectiva da oportunidade: você pode enxergar as situações como problemas, dificuldades ou oportunidades. Se você conseguir sempre ver uma oportunidade nas situações, mesmo as mais complicadas, terá mais sucesso.

5. Invista em si mesmo: existem diferentes formas de investir em si mesmo, pode ser uma capacitação, um curso, terapia, um hobby, enfim, é sempre bom fazer alguma atividade que te ajude a se desenvolver como pessoa e profissional.

Adquirir inteligência emocional para sucesso nas vendas ou em qualquer área na vida exige iniciativa e persistência, portanto, comece logo: aproveite esses conhecimentos e comece a planejar as atitudes que vão te ajudar a alcançar esse objetivo.

Como você acha que as suas emoções influenciam nas suas vendas? O que acha que precisa fazer para melhorar isso? Compartilhe suas experiências e percepções nos comentários!

4 cuidados no contorno de objeções em vendas

Objeções por parte dos clientes fazem parte do cotidiano do vendedor. Por isso, é preciso saber lidar com elas para que o resultado no final do dia seja satisfatório, isto é, sem desistir diante da primeira ressalva. Contudo, para garantir qualidade e retornos de fato, é preciso ter alguns cuidados no contorno de objeções em vendas.

Por pressão, inexperiência ou outros motivos, muitos vendedores acabam transformando o contorno de objeções em vendas num verdadeiro confronto com o consumidor. Isso não será positivo nem para a empresa nem para o vendedor, e em muitos casos acaba com a possibilidade de resultados no momento e no futuro.

Pensando nisso, vamos oferecer algumas dicas a seguir para lidar com essa situação.

1. O contorno de objeções em vendas depende de uma boa escuta

Saber escutar é uma das principais habilidades do vendedor em qualquer contexto, mas para o contorno de objeções em vendas de maneira efetiva é indispensável. Quando o vendedor não escuta e analisa a objeção do cliente antes de reagir, geralmente terá duas atitudes: ou desistirá de vender ou acabará falando demais uma porção de coisas irrelevantes.

A escuta garante que as respostas ao cliente, geralmente feitas em forma de perguntas, sejam pontuais e assertivas. Isso certamente irá viabilizar que a venda ocorra e, também, garantirá que o consumidor se sinta bem atendido.

2. Nunca tente empurrar o produto para o cliente!

Um dos grandes erros cometidos por vendedores ao tentar contornar as objeções de clientes é insistir, de modo a vencer o cliente pelo cansaço. Nessas situações, ainda que a venda seja finalizada, é provável que o cliente não ficará satisfeito com a compra e tenderá a não comprar mais na loja.

O contorno da objeção de vendas não se trata disso. Não é vender a qualquer custo, mas entender o que está impedindo o cliente de comprar e descobrir caminhos para acabar com esse impedimento. A venda com base na “agressividade” pode acabar repercutindo negativamente na carreira de um vendedor.

3. Lembre-se de que o cliente não é seu inimigo

Alguns vendedores, diante de uma objeção, vão logo contradizendo o consumidor, como se ele não soubesse o que quer ou o que está falando. Isso sempre acabará mal. Ninguém gosta de ser confrontado dessa maneira, ainda mais em uma experiência de compra. Ainda que a objeção do cliente pareça equivocada, o segredo é perguntar e analisar e nunca confrontá-lo.

4. Perceba quando o contorno de objeções em vendas não é possível

Um excesso de motivação ou orientações erradas podem fazer com que alguns vendedores não lidem com uma realidade: às vezes a venda, simplesmente, não vai acontecer. Existem clientes desinteressados, ou que não podem consumir naquele momento, ou que realmente decidiram não comprar. É preciso perceber quando a situação está nesses termos e não perder tempo tentando contornar uma venda que não acontecerá.

De um modo geral, o contorno de objeções em vendas deve sempre estar articulado com um bom atendimento. O respeito e atenção ao cliente não são negociáveis. Portando, deve-se ter sempre em mente que embora seja possível reverter objeções, isso nunca deverá ferir a relação com o cliente, concorda? Deixe um comentário com a sua opinião!

6 atitudes de um vendedor de sucesso

Você já parou para observar que nem sempre quem é bom no que faz, necessariamente, tem sucesso? Pois é, o sucesso envolve certas atitudes que vão além de saber fazer algo bem, que dizem respeito a como se lida com os próprios resultados e com a própria atuação. Essas atitudes, mais cedo ou mais tarde, levam a reconhecimentos e resultados que só de exercer corretamente certa atividade, não levariam. É sobre algumas dessas atitudes para se tornar um vendedor de sucesso que nós falaremos a seguir!

1. Tenha metas e objetivos

Para que se tenha sucesso como vendedor, em primeiro lugar, você precisa ter uma forma de mensurar isso. Afinal, o sucesso também envolve a sua percepção do que ele é. Sendo assim, defina onde você quer chegar, o que é sucesso para você, quais as etapas para que alcance o almejado objetivo e sempre busque chegar lá. Lembre-se de ser realista e paciente: um grande objetivo deverá ser composto que pequenos passos e metas progressivas.

2. Seja empático

Empatia não é só uma palavra da moda, é uma característica fundamental para que um vendedor seja bem-sucedido. Se você for capaz de se colocar no lugar do seu cliente, saberá lidar com ele de forma muito mais assertiva. É claro que saber escutar e falar no momento certo é parte do processo de atuar com empatia.

3. Ouse ser criativo

Não é possível alcançar destaque em alguma coisa sem uma certa dose de risco e muita criatividade. Pessoas que apenas seguem padrões previsíveis estacionam em resultados medianos. Se você quer realmente ser um vendedor de sucesso, invista em sua criatividade e utilize-a em seu cotidiano para oferecer soluções diferentes das rotineiras. Além disso, tenha sempre cartas na manga diante de imprevistos e dificuldade de se adaptar às mudanças.

4. Conhece-te a ti mesmo, ao seu cliente e o seu mercado

Conhecimento é uma ferramenta fundamental para o sucesso em vendas. Ele deve envolver todos os processos: seu produto, o mercado no qual atua em nível nacional e internacional, a concorrência, o perfil dos seus clientes e, é claro, você mesmo! Quanto mais autoconsciente for sobre suas forças e fraquezas, assim como entender como funciona o seu nicho, mais terá material para alcançar os seus objetivos.

5. Cultive a honestidade

No mundo comercial, uma atitude honesta poderá ser aquilo que faz com que seu cliente volte, que as chefias lhe confiram confiança e que você possa dormir tranquilo. Portanto, assuma a responsabilidade por todos os seus atos e não tente crescer a partir de estratégias ambíguas. Inclusive, situações como essas poderão se virar contra você e arruinar o que construiu até então.

6. Mantenha o entusiasmo

Se você está desejando ser um vendedor de sucesso, é bem provável que goste do que faz, caso contrário, buscaria mudar de área, certo? Então, esse já é um passo bem importante. Contudo, não basta que você seja apaixonado pelo que faz: você precisa contagiar os outros com essa empolgação, pois é essa energia que poderá fazer com que novas oportunidades e o merecido reconhecimento batam à sua porta.

Essas são algumas das principais atitudes que te levarão a ser um vendedor de sucesso. Se quiser ir além, analise o seu mercado, o seu contexto real e entenda o que ele pede. Invista em você, se dedique ao seu trabalho e o reconhecimento será apenas uma consequência. O que você achou dessas dicas? Tem alguma outra sugestão? Deixe sua opinião nos comentários!

As características de um ótimo vendedor

Um vendedor de qualidade é um profissional altamente capacitado para realizar a negociação de um produto ou serviço por determinado valor. Assim, eles podem usar diferentes estratégias para conseguirem conquistar os seus clientes. Porém, somente aqueles que se dedicam para aperfeiçoar suas técnicas, conseguem bater todas as metas e se tornam referência no mercado das vendas. Neste texto vamos mostrar as principais características de um ótimo vendedor. Não deixe de conferir!

Quais são as particularidades de um ótimo vendedor?

Os vendedores são cruciais para o sucesso de uma empresa. Portanto, eles devem ter essa consciência e se esforçarem para atingirem o nível esperado pelos gestores. Assim, um ótimo vendedor possui características peculiares, você sabe quais são?

Amor pela profissão

Em toda profissão é necessário vestir a camisa da empresa para alcançar o sucesso, portanto, os vendedores devem ter essa convicção.

Um trabalhador que não gosta do seu emprego, se sente desmotivado, isso afeta seu rendimento e a produtividade da empresa.

Busca pelo conhecimento

O mundo dos negócios está em constante renovação. Sendo assim, os vendedores devem buscar incessantemente o conhecimento para conseguirem atuar em alto nível no mercado de trabalho.

O estudo está entre as chaves principais do sucesso!

Persistência

Um ótimo vendedor conhece bem o seu produto e o seu cliente. Além disso, quando se sabe a necessidade do seu comprador, automaticamente você venderá exatamente o que ele precisa. Isso que o cliente espera, adquirir um produto que atenda às suas necessidades.

Mas, não confunda ser persistente com teimosia, saiba fazer essa diferenciação. Assim, quando necessário, insista e mostre para o seu cliente todas as vantagens do seu produto ou serviço. Essa atitude certamente vai ajudar no momento de decisão de compra.

Visão de empreendedor

Ter esse olhar faz com que o vendedor tenha uma outra noção do mercado de trabalho. Isso ajuda na sua forma de agir (e reagir), de pensar e de atuar no negócio. Quando absorvemos características positivas, certamente estaremos um passo à frente, tanto no âmbito profissional quanto no pessoal.

Um ótimo vendedor, além de ter muito conhecimento e segurança, precisa alterar ou propor novas ideias que visam aperfeiçoar técnicas. Essa atitude de empreendedor pode aumentar os seus resultados e de todos os funcionários da empresa.

Quais atitudes necessárias para lidar com as objeções dos clientes e se tornar um ótimo vendedor?

Primeiramente é importante entender qual o motivo da rejeição do produto ou serviço. Geralmente, os clientes podem reclamar do preço, ou quererem um tempo para decidirem pela compra. Um ótimo vendedor deve saber responder à altura todas as dúvidas do seu comprador. Reagindo então da maneira correta quanto às objeções.

Por exemplo, se o cliente diz que “o valor está muito caro”, o vendedor deve mostrar todos os benefícios do produto. Assim, realçando que ele atenderá às necessidades e resolverá os seus problemas. Caso o comprador diga que “precisa de tempo para pensar”, cabe ao vendedor informar que o produto está em falta o mercado. Assim, caso ele opte pela compra no futuro, o preço estará ainda maior.

Podem existir vários tipos de objeções, a maior chave para lidar com esse tipo de situação é o conhecimento do produto. Além disso, conhecimento de todo o mercado que ele está inserido.

Quais são as suas principais características? Deixe-nos um comentário!

Você conhece a jornada de compra e funil de vendas?

Se você está procurando saber mais sobre a jornada de compra e funil de vendas, já deve estar ciente de que o cliente passa por todo um processo antes de chegar ao vendedor. Conhecer mais sobre isso poderá ajudar a melhorar as vendas.

A jornada de compra e funil de vendas é o que faz com que vendedores e profissionais do marketing se aproximem em uma empresa. Mesmo que o estabelecimento no qual você trabalha não tenha uma equipe de marketing ou essa interação estratégica, esse conhecimento será útil para você. Saiba mais a seguir!

Entenda o que são os dois

A jornada de compra e funil de vendas, atualmente, apresenta diferentes abordagens, algumas muito cheias de detalhes técnicos. Você não precisa saber tudo isso para utilizar esse conhecimento e vender mais e melhor. Entender o princípio desses conceitos será o suficiente.

O fato é que os dois estão relacionados. O funil de vendas é uma maneira gráfica e objetiva de classificar os diferentes momentos pelo qual passa um cliente, isto é, de tornar acessíveis as principais etapas de sua jornada de compra.

Parte-se do princípio de que os consumidores têm um comportamento previsível que, de maneira simplificada, ocorre da seguinte forma: diante de um problema, ele pesquisa mais sobre o assunto, até entender que existe um produto ou serviço que possa ajudá-lo. Então, ele começa a investigar sobre essa oferta, empresas que a oferecem até, por fim, filtrar os locais de interesse para adquirir o produto ou serviço.

Essas etapas são classificadas em:

Topo do funil: quando o cliente está fazendo pesquisas a fim de saber mais sobre possíveis soluções para o seu problema;
Meio do funil: quando o cliente está pesquisando sobre produtos relacionados a solução para o seu problema;
Fundo do funil: quando, já basicamente decidido a comprar o produto, o consumidor começa a definir onde ele irá adquiri-lo.

Resumidamente, é nisso que consiste a jornada de compra e funil de vendas. Você consegue localizar onde está o trabalho de vendedor? Está no fundo do funil! Isso não quer dizer que o cliente chegará pronto para você! Por isso, vamos esclarecer como esse conhecimento pode te ajudar.

Como o vendedor pode usar a jornada de compra e funil de vendas para uma melhor performance

Uma vez que você saiba a trajetória que o cliente tende a fazer antes de chegar até você, fica mais fácil iniciar um diálogo voltado para a venda. Procure saber, por exemplo, o que ele já sabe sobre o produto e sobre o problema para o qual busca solução.

Dessa maneira, além de ter um ponto de partida, você evitará ficar repetindo informações das quais ele já está ciente e poderá concentrar a negociação no que ele ainda não sabe sobre o produto.

Mais do que isso, você poderá surpreender o cliente antecipando seus desejos e necessidades, caso você consiga visualizá-las nas primeiras interações. Como isso é possível? A partir das suas pesquisas sobre o seu produto e mercado, seguindo o raciocínio do cliente, para utilizar no momento da venda.

Em resumo, a jornada de compra e funil de vendas te ajuda a entender mais o seu cliente e processo de vendas de uma maneira completa, pois ele começa antes que o cliente chegue até você!

Quando for o caso, também será possível estabelecer uma parceria melhor com a equipe de marketing, alimentando positivamente os setores. O que você acha desse assunto? Acredita que esse conhecimento seja útil para auxiliar nas vendas? Deixe um comentário com a sua opinião!

Venda mais caro que a sua concorrência

Quem entende de vendas sabe que o preço não é o principal fator determinante para a decisão de compra da maioria dos clientes. A palavra-chave para conquistar os clientes de hoje em dia é: agregar valor. Isso porque com a expansão do mercado e possibilidades diversas de produtos semelhantes, o consumidor entende sua importância e se torna mais exigente. Ele busca ser valorizado e realizar uma negociação que o beneficie tanto na experiência de compra quanto no usufruto do produto. Com isso em mente, confira nossas dicas para que você venda mais caro que a concorrência e tenha sucesso com seus resultados!

Identifique e liste os pontos fortes do seu estabelecimento

É possível que você venda mais caro que a concorrência, desde que você consiga justificar isso. Sendo assim, conhecer detalhadamente os pontos fortes do seu espaço é fundamental: porque a sua loja vende mais caro? Tente responder essa pergunta. Alguns pontos que você pode observar são: localização, infraestrutura, atendimento, garantia, reputação e outros diferenciais.

Pesquise minuciosamente a concorrência

Não é que você vá falar da concorrência para o seu cliente, pois esse tipo de estratégia pode ter efeitos negativos se não for muito bem executada. Contudo, ao conhecer o seu concorrente você poderá fazer um paralelo entre o que ele oferece e o que você pode oferecer melhor. Esse recurso permitirá que você venda mais caro que o concorrente sem precisar fazer malabarismos, pois saberá exatamente o que você pode ter que ele não tem!

Conheça profundamente os produtos que vende

Outro fator fundamental para ter sucesso em vender produtos mais caros é conhecer detalhadamente o produto e desenvolver uma forma prática e clara de transmitir essas informações ao cliente. Você deve saber o máximo possível, inclusive em nível técnico, mas na hora de falar com o potencial comprador, deve demonstrar para ele como que essas características do produto trarão benefícios no dia a dia.

Elabore uma argumentação sólida e esclarecida

É possível, a partir dos conhecimentos que você adquiriu pesquisando a concorrência e o seu próprio estabelecimento, fazer comparativos que criem imagens argumentativas potentes para os consumidores. Por exemplo: para produtos diferentes, você pode fazer com que ele perceba que pagar mais é interessante pela maior durabilidade, qualidade, prazer, etc. Para produtos iguais, inclusive na marca, o foco do diferencial deve ser no seu estabelecimento: atendimento diferenciado, forma de pagamento, segurança, garantia, suporte em todos os momentos da venda, dentre outros.

Ofereça um atendimento digno de rei

Se você vende um produto mais caro, é provável que deseje atrair os clientes dispostos a pagar por isso. O mínimo que quem paga mais caro quer, é ser muito bem atendido. O cliente precisa se sentir bem recebido, confortável e amparado em suas necessidades. Agilidade e transparência também são diferenciais para atrair clientes exigentes. Todas essas qualidades devem acompanhar o processo de negociação até o pós-venda.

Como ficou claro nessas dicas, o segredo para que você venda mais caro que a concorrência e tenha sucesso em seus resultados é demonstrar a partir, principalmente, das atitudes de venda, que não apenas o seu produto vale o que é pedido por ele, mas que todo o funcionamento do estabelecimento e a forma com que ele se relaciona com o consumidor faz com que valha a pena escolher comprar nesse lugar e não em outro.

Se você deseja continuar a busca por mais conhecimentos para se tornar um vendedor excepcional, confira o nosso artigo: FIDELIZAR CLIENTES: APRENDA A NEGOCIAR COM CADA PERFIL.

Entenda o que é carta de advertência e como evitá-la

Antes que o rompimento do contrato entre um empregado e a empresa ocorra por justa causa, é comum que ela recorra a alguns recursos, dentre os quais está a carta de advertência. Esse documento é uma das possibilidades quando o empregado descumpre algo para com o empregador.

A partir da carta, confirma-se que o trabalhador está ciente da falta e foi notificado pela empresa. Por isso, é comum que ela precise ser assinada. Embora este seja um instrumento válido e de certa maneira até positivo para o trabalhador, podem haver controvérsias.

Este seria o caso quando a empresa utiliza a carta de advertência de maneira inadequada, como um instrumento de coação ao empregado. Sendo assim, conhecer mais sobre esse instrumento e o seu contexto é importante: tanto para evitar recebê-lo, quanto para identificar quando o seu uso é nocivo.

A seguir, vamos esclarecer sobre o assunto. Acompanhe!

O que são as advertências?

A carta de advertência é uma das possibilidades educativas para informar ao trabalhador sobre um ato que desrespeita a empresa, mas existem outras. De um modo geral, as advertências são aplicadas quando ocorrem situações tais como: desleixo; baixo rendimento; descumprimento ao regimento interno; atrasos e faltas injustificadas; uso do celular inadequadamente, dentre outras.

As advertências são, portanto, um aviso para o trabalhador quanto à situação. As reincidências do recebimento desses alertas poderão resultar em uma demissão por justa causa. Por isso, o cumprimento dessa medida disciplinar deve responder a algumas regras.

O que a legislação determina sobre as advertências?

Devido à sua função e possível agravamento, as advertências não podem ser aplicadas deliberadamente. A legislação prevê uma ordem a ser obedecida na aplicação delas antes que culminem na suspensão. A gravidade da falta também poderá influenciar nisso.

A regra geral é que antes que o colaborador seja suspenso, sejam aplicadas três advertências. O procedimento geral pode ser resumido da seguinte forma:

– Advertência verbal

– Carta de advertência

– Suspensão

– Demissão por justa causa

Como evitar a carta de advertência?

Primeiramente, o ideal é evitar qualquer tipo de advertência no trabalho. A maneira de fazer isso é, na verdade, muito simples: basta ter profissionalismo e cumprir com as normas de conduta da empresa. Contudo, para que isso seja realmente efetivo, é necessário conhecer bem o próprio contrato de trabalho e regimento interno da empresa.

Com esses conhecimentos e esforço para praticá-los, dificilmente ocorrerá uma situação que justifique a aplicação de uma advertência.

O que fazer se a carta de advertência for usada de maneira abusiva pelo empregador?

Como já falamos, a aplicação das advertências tem normas. Além da hierarquia, elas deverão ser atuais, comprovadas e proporcionais ao ato. Caso o empregador desrespeite esses critérios e faça uso da advertência de maneira vexatória ou injustificada, o trabalhador poderá iniciar uma causa trabalhista.

Para isso, como em todas as situações do gênero, é necessário juntar provas. Mas, neste caso, podemos dizer que também é preciso ter muito cuidado e autocrítica. Tenha certeza de que a situação realmente é injusta antes de optar por uma medida jurídica, ou a ação poderá acabar se virando contra você.

Nesse contexto, a busca por uma orientação e análise do seu caso é sempre uma possibilidade.

Agora você entende o que é uma carta de advertência, quando ela pode ser aplicada e como evitá-la? Esperamos que sim. Continue acessando outras informações úteis seguindo o escritório Marcos Roberto Dias nas redes sociais, no instagram e facebook

Como lidar com as brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho?

As brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho geralmente causam muito desconforto em quem é alvo delas. Diante do abalo emocional, pode ser difícil identificar quando essas brincadeiras são inocentes e quando elas configuram em uma situação mais grave, como o assédio moral. A questão é que, em qualquer um dos casos, é preciso saber lidar com elas.

O que se modifica é a maneira de fazer isso. Afinal, uma coisa é lidar com uma brincadeira de fato: nesse caso, você terá que trabalhar o seu próprio emocional. Mas, caso configure em assédio moral, deve-se tomar as providências cabíveis. Para qualquer uma dessas situações, a seguir vamos te dar algumas dicas sobre como lidar com essa situação.

Considere os cenários das brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho

Observar o contexto e outras particularidades relacionadas as brincadeiras que estão te incomodando deverá ser a sua primeira atitude. Por mais difícil que seja manter a calma nessa situação, é fundamental que você consiga avaliar racionalmente o cenário.

É algo recorrente? O modo de manifestação do emissor é agressivo? Você está sendo humilhado ou constrangido publicamente? Em algum momento essas brincadeiras têm tom de ameaça? Elas ferem ou ofendem aspectos pessoais seus? Interferem negativamente em sua atividade?

Se a resposta para alguma das perguntas anteriores foi sim, é possível que você esteja sendo vítima de assédio moral. Contudo, seja bastante honesto ao respondê-las, pois se as brincadeiras forem algo momentâneo e sem intenção de ferir, você pode resolver tudo com uma conversa.

Não perca o controle diante das brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho

Existem algumas brincadeiras que podem causar bastante irritação. No entanto, você é um profissional e, mesmo neste caso, precisa lidar com isso de maneira prudente. Explodir nesse contexto ou tentar retribuir na mesma moeda pode ser grave para a sua reputação e carreira.

Nesses casos, o melhor a fazer é ignorar ou tentar explicar que isso está lhe incomodando, de maneira clara e equilibrada. Para lidar melhor com isso a saída é cuidar bem da saúde emocional. Se a situação persistir mesmo diante da conversa, talvez você realmente precise tomar medidas mais sérias.

Não permita que a situação se arraste para tentar resolver

O ideal em uma situação nas quais as brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho estão incomodando é lidar imediatamente com o assunto. Não espere meses até tomar uma atitude. Quanto mais pontual você for sobre não aceitar esse tipo de abordagem, mais as pessoas o levarão a sério sobre isso.

Não tenha receio de ser taxado de “sem graça” ou mal-humorado. Apenas deixe claro o que é aceitável e o que não é. Permitir que a situação se agrave e te prejudique apenas tornará mais difícil resolvê-la.

E quando as brincadeiras de mau gosto no ambiente de trabalho são assédio moral?

Explicamos anteriormente que a recorrência, a agressividade e outras atitudes prejudiciais relacionadas à suposta brincadeira, poderão fazer com que ela se configure em assédio moral. Se você acredita que esse é o caso, uma das medidas importantes é juntar provas.

Saiba que não são apenas os cargos hierarquicamente superiores que praticam o assédio moral. Se essa atitude é dos seus colegas, de qualquer maneira, você poderá entrar com um processo trabalhista.

Entretanto, além da certeza sobre o que está realmente ocorrendo, é interessante que você tente lidar com a situação internamente antes de uma medida mais drástica. Saiba mais sobre o assunto seguindo nossas redes sociais